menu

RIO DE JANEIRO - ROCK IN RIO - setembro 2017

Com certeza todo mundo tem momentos em que sonha estar presente em um determinado lugar, para mim, um desses momentos, sem dúvida, era o Rock in Rio. Comprei o ingresso no dia em que abriram as vendas no dia 6 de abril, incluindo o frete, paguei um total de 260 reais.

O maior festival do mundo teve sua primeira edição em 1985. Hoje em dia ele ocorre a cada dois anos, mas o organizador falou numa entrevista que talvez tenha sido o último realizado no Brasil, especialmente pela falta de segurança. Ele quer se dedicar às edições de Lisboa e Las Vegas. Este ano, já na sétima edição, o festival teve início no dia 15 e terminou no dia 24 de setembro, sempre das 14 até a madrugada, por volta das 3 horas, no Parque Olímpico do Rio de Janeiro, onde foram realizados os Jogos Olímpicos. O ingresso é comprado de acordo com o(s) dia(s) que você escolher. No meu caso, fui no dia 16 para assistir não só a atração principal Maroon 5, mas também, Skank, Fergie e Shawn Mendes que tocaram no Palco Mundo (o principal). Outros shows são realizados no Palco Sunset, menor, mas não menos animado.


Saí de Brasília no sábado (16/09/2017) bem cedinho, num voo com conexão em São Paulo, devido ao alto preço das passagens. Por isso, o quanto antes comprar a passagem pro Rio para época do evento, melhor.

Fui do aeroporto Santos Dumont para o hotel com o tio de uma amiga que viajou comigo, mas lembrem-se que é bem fácil se locomover na cidade maravilhosa. Ônibus, taxi, Uber, cabify e VLT são algumas das opções para quem está saindo do aeroporto. 

Fiquei hospedada no Leme, hotel Golden Tulip, bem perto da praia. Café da manhã maravilhoso e a oportunidade de uma vista incrível da cidade na piscina da cobertura do prédio. Almocei no Cafeína no Shopping Rio Sul e já voltei pro hotel para me arrumar para o show. Paguei 20 reais no Rio Card para podermos pegar o metrô e o BRT do Leme até a Cidade do Rock. Optamos por não chegar muito cedo pois aguentar todas as horas do festival é bem cansativo. Se o seu objetivo é assistir aos shows do Palco Mundo vale a pena guardar bastante energia pois eles só tiveram início às 19 horas. 

Se possível, chegue antes de escurecer e tire muitas fotos, afinal o lugar é lindo e todo mundo tem aquela foto clássica no letreiro da entrada. É permitida a entrada com alimentos, porém, há diversos pontos de venda de comida e bebida espalhados por todo o espaço. Muito útil levar uma canga ou toalha, pois no intervalo entre os shows todos se sentam no gramado sintético para dar uma descansada. Os banheiros são bons e, como em qualquer lugar, o feminino sempre tem uma fila quilométrica.

Não posso deixar de relatar que fiquei muito decepcionada com a falta de acessibilidade para o público com necessidades especiais. No site oficial estava bem claro que haveria apoio para os que precisam, porém, na prática, não funcionou bem assim. Eu mesma precisava de cadeira de rodas, pois tinha tirado o gesso do pé fraturado havia apenas dois dias e não consegui a cadeira de rodas que me prometeram. O transporte que levava o pessoal que tinha mobilidade reduzida se perdeu na Cidade do Rock, o motorista não sabia o caminho a ser percorrido, levamos horas pra chegar à área reservada. O local destinado a esse público era horrível, nem dava pra ver o palco, enfim, um desastre! Vi diversas pessoas que precisavam desse apoio decepcionadas por não terem recebido a devida ajuda que era oferecida no site.

Basicamente é isso, escolha as atrações que mais gosta e se tiver oportunidade, não deixem de ir. É uma organização de primeira (tirando a parte do público com necessidades especiais), uma experiência muito divertida, um público louco que canta, dança e grita muito, tudo na paz! A energia é contagiante demais! Na saída, o fluxo de pessoas é tão grande e todo mundo está tão cansado que parecem vários zumbis. Embora tenha mais de 100 mil pessoas em cada dia de festival, não vi nenhum tumulto ou brigas. Coloque um calçado confortável, recarregue as energias, beba água e aproveite muito!

Aproveite para ter mais um dia livre no RJ e ir à praia ou visitar alguuns dos lindos pontos turísticos da cidade.







RESTAURANTE COCO BAMBU LAGO SUL - setembro 2017

Tipo: Restaurante de frutos do mar

Endereço: Setor de Clubes Sul - Trecho 2 - conjunto 36 -Brasília - próximo ao Clube Cota Mil - telefone: (61) 3224-5585 - Mapa.

Clique na foto (apenas um clique) para ampliar e use a seta (no teclado) para passar as fotos. Para voltar a esta página clique no X ou na tecla ESC.


 
Restaurante Coco Bambu Lago Sul
 
Restaurante Coco Bambu Lago Sul

Avaliação:

Ambiente: conta com 2 salões com mesas quadradas e redondas para duas, três, quatro ou mais pessoas ou para grandes grupos de confraternização. Tem ar condicionado nos salões e a opção de mesas na varanda com cobertura. Da varanda, a vista para o Lago é bem bonita. Conta com uma recepção agradável para aguardar a liberação de mesa (costuma estar cheio). Decoração de bom gosto. Os banheiros são muito limpos e música ao vivo de qualidade (o couvert artístico é pequeno - em setembro de 2017 cobrava-se R$ 4,50 por pessoa). Tem também uma brinquedoteca com vídeo game, pula pula, piscina de bolas, fraldário e local para amamentação - crianças até 3 anos não paga; e de 3 a 10 anos custa R$ 25,00 por criança). No quesito ambiente considero o Coco Bambu uma das melhores opções de Brasília. Para algumas pessoas, o local é barulhento, pois é bem grande. NOTA: 9


 
Entrada no segundo andar
 
Recepção


Salão maior
 
Música ao vivo
 
Varanda
 
Vista da Varanda

Comida: Serviço à la cart. Apesar de ser um restaurante especializado em frutos do mar tem também carne, frango e saladas. Nossos pratos favoritos são o Peixe à Delícia (peixe com banana e molho branco) e o Camarão Internacional (arroz com creme de leite e camarões). O restaurante tem também uma adega com muitas opções de vinhos. Consulte o cardápio. NOTA: 9



Camarão Internacional para 4 pessoas e Peixe à Delícia para 2 pessoas

 
Adega ao lado da recepção
 
Adega


Atendimento: o atendimento é muito bom, os garçons atendem prontamente aos seus pedidos. Para pagar a conta também é muito rápido. É conveniente fazer reserva, pois normalmente fica cheio, pelo site do restaurante com até 1 hora de antecedência. NOTA 9

Preço: o preço não é dos mais altos, levando em consideração todo o conjunto: atendimento, local super agradável, qualidade e variedade da comida e também que  muitos pratos são muito bem servidos, suficientes para 2, 3 ou até 4 pessoas. NOTA 8

Outras informações:
  • Horário de funcionamento: Almoço de segunda a quinta-feira, das 11h30 às 15h30; e sexta-feira a domingo, das 11h30 às 17h30.
    Jantar: de segunda a quarta-feira e domingo, das 17h30 às 24h; de quinta-feira a sábado, das 17h30 à 1 hora. 
  •  O restaurante conta com um amplo estacionamento e serviço de valet park (serviço pago). 
  • Não deixe de curtir a vista às margens do Lago Paranoá - na frente do estacionamento.
 
Valet Park
 
Valet Park
 
Estacionamento
 
Vista do estacionamento
  • Consulte o site do Coco Bambu Lago Sul para maiores detalhes.
  • O primeiro Restaurante Coco Bambu foi aberto em Fortaleza em 2001, apesar da família estar no ramo da alimentação desde de 1989. Em 2005 foi aberto o primeiro Coco Bambu fora de Fortaleza, Coco Bambu Salvador, e em 2009 foi aberto o primeiro restaurante Coco Bambu em Brasília. Na cidade tem outras duas unidades, no Brasília Shopping e em Águas Claras. O meu preferido é o do Lago Sul - é o que estou avaliando. Em 2017 a rede já conta com mais de 20 restaurantes em 12 estados e no DF e também está chegando a outros estados e em Miami Beach (EUA).
  • O Restaurante é muito bem avaliado pelo Tripadvisor.
  • O acesso ao restaurante é feito através de escada ou elevador.
  • O restaurante está localizado próximo à região central de Brasília, onde estão os principais atrativos da cidade.
  • Oferecem a opção delivery.

CAIXA CULTURAL - setembro de 2017

Localização
Setor Bancário Sul - SBS – Quadra 4 – Lotes 3/4 – Brasília

Distância da Rodoviária:  
1,7 km - confira no mapa.

Horário: 
Visitação: terça a domingo, das 9h às 21h.
Bilheteria: terça a sexta-feira e domingo, das 13h às 21h; Sábado, das 9h às 21h.
Telefone: Informações: (61) 3206-9448 e (61) 3206-9449 - Bilheteria: (61) 3206-6456

Clique na foto (apenas um clique) para ampliar e use a seta (no teclado) para passar as fotos. Para voltar a esta página clique no X ou na tecla ESC.

História:
  • A Caixa Cultural Brasília, inaugurada em 1980, foi o primeiro espaço cultural instituído pela Caixa.
Caixa Cultural
  • São sete unidades da Caixa Cultural, localizadas em Brasília, Curitiba, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.
  • Ao lado da Caixa Cultural está o interessante Edifício Sede da Caixa Econômica Federal - CEF, inaugurado em 1972. No projeto de arquitetura o destaque é a torre cilíndrica com lâminas verticais de concreto, que recordam ranhuras de uma moeda, de João Alfredo Ortigão Friedmann, Nery Fontes e Paulo Cardoso Mourão. No andar térreo destacam-se os vitrais de Lorenz Heilmar (reportagem do Correio Braziliense sobre vitrais em Brasília, entre eles o da Caixa).
Edifício Sede da Caixa Econômica Federal - CEF

Atrativos: 

 
Entrada da Caixa Cultural - Jardim das Esculturas
 
Recepção - Foyer
 
Entrada do Teatro
 
Entrada de duas galerias - uma em baixo e Galeria Vitrine em cima
 
Uma das galerias
 
Galeria Vitrine
 
Mini acervo histórico da Caixa no Mezanino
 
Armários para guarda de pertences dos visitantes

Comentários: 
  • Para consultar a programação acesse o site da Caixa Cultural Brasília - lá você encontra uma farta programação de música, teatro e exposições variadas.
  • As atrações da Caixa Cultural são temporárias. 
  • Tem estacionamento, banheiros, onde lanchar ("Café Cultural") armário para guardar seus pertences.

Ingressos:
A entrada é gratuita. Algumas atrações, no entanto, são pagas. O valor do ingresso, porém, costuma ser barato. 

CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL - CCBB - setembro 2017

Localização
Setor de Clubes Sul - SCES, Trecho 02, lote 22 - Brasília -  próximo da Ponte JK.

Distância da Rodoviária:  
7,6 km - confira no mapa.

Horário: 
De terça a domingo de 9 horas às 21 horas. Quando ocorre algum show o CCBB costuma fechar para montagem de palco. Telefone (61) 3108-7600.

Clique na foto (apenas um clique) para ampliar e use a seta (no teclado) para passar as fotos. Para voltar a esta página clique no X ou na tecla ESC.

História:



  • Projeto de Oscar Niemeyer, inaugurado em 1993 como sede do Centro de Formação do Banco do Brasil.
  • O edifício principal de dois andares foi construído em concreto aparente com um formato curvo e recebeu o nome Tancredo Neves.
  • Projeto paisagístico assinado por Alba Rabelo Cunha.
  • O primeiro CCBB foi inaugurado em 1989 no Rio de Janeiro e no dia 12 de outubro de 2000 foi inaugurado o de Brasília e, em seguida, os de São Paulo e Belo Horizonte.
  • O prédio tem uma área construída de aproximadamente 20 mil m² e o Centro Cultural do BB ocupa metade desse total. A área total do terreno é de 146 mil m².










  • Atrativos: 
    • Em outubro de 2016 foi inaugurado, no primeiro andar, uma exposição permanente - "Museu do Banco do Brasil". Logo na entrada você é recepcionado por uma bela arquitetura, bonito mobiliário, cafeteria confortável, banheiros (até o acabamento do banheiro vale a pena conhecer) e uma bonita vista da ponte JK.
    Vista da Ponte JK de dentro do Museu do BB

     
    Recepção no piso térreo
     
    Museu no primeiro andar
     
    Área de circulação onde estão o café e os banheiros
     
    Cafeteria
      • Destaques do Museu:
        • No primeiro salão tem um pouco da história do BB: principais fatos desde sua fundação até hoje, equipamentos antigos utilizados no banco, histórias de ex-funcionários e o BB em números - muitas curiosidades.
    Entrada do primeiro salão do Museu

     
    Primeira parte do Museu
     
    Equipamentos antigos e mobiliários do BB
     
    Equipamentos antigos e mobiliários do BB
     
    Equipamentos antigos e mobiliários do BB
        • O segundo salão é a Sala de Leitura com muitos livros interessantes.


     
    Pinturas óleo sobre tela de Manoel Santiago ("Sem Título"), Carybé ("O Cais"), Animá de Paula ("Fachada com Árvores") e Antônio Marx ("Vilarejo")
     
    Litografia  sobre papel - abstrato de Alfredo Volpi
     
    Pinturas óleo sobre tela de Di Cavalcanti ("Sem Título") e Djanira da Motta ("Mulheres Peneirando Farinha")






     
    Serigrafias de 1999 sobre papel de Athos Bulcão


     
    Pinturas de Di Cavalcanti 
     
    Pinturas de Carlos Bracher
     
    Pinturas de Burle Marx


        • Na saída da Galeria estão alguns objetos relacionados à história de patrocínio aos esportes.





    •  Sala de cinema com 70 lugares e com uma programação alternativa ao circuito tradicional.
    • 4 galerias onde as exposições são realizadas.
    • Pavilhão de vidro também utilizado para exposições.
    • 2 teatros.
    • Parque de esculturas interativas de Darlan Rosa, inaugurado na comemoração de 200 anos do BB - "Casulo" - "Um estímulo à fantasia e a convivência entre crianças e adultos". No jardim da frente do CCBB tem outra escultura de Darlan.





    • Além de toda programação cultural, o CCBB é um bom local para tomar um café ou fazer um piquenique. Tem 3 opções de Cafés: 
      • Bistrô Bom Demais – Térreo, horário de funcionamento de 9h30 às 22h. 
      • Café Teatro – em frente ao Teatro I – horário de funcionamento de 9h às 21h.
      • Café do Museu – no Hall do Museu BB, primeiro andar – horário de funcionamento de 9h às 19h.
     
    Café Bom Demais
     
    Gramado que pode ser usado para fazer piquenique

    Comentários: 
    • Para consultar a programação acesse o site do CCBB - lá você encontra uma farta programação de música, teatro, cinema e exposições variadas.
    • Para expressar o que eu acho do CCBB copiei uma frase escrita em uma parede do Museu - "Visitar  o CCBB é sempre um encontro fascinante com o universo cultural".
    • Informações úteis sobre o funcionamento do CCBB.

    Ingressos
    A entrada no CCBB é gratuita - muitas das exposições e shows também são de graça. Algumas programações são pagas, mas o valor do ingresso normalmente é barato.