menu

PALÁCIO ITAMARATY - agosto de 2017

Localização: Eixo Monumental -  mapa.

Distância
: 2,0 km - da Rodoviária


Clique na foto (apenas um clique) para ampliar e use a seta (no teclado) para passar as fotos. Para voltar a esta página clique no X ou na tecla ESC.

Horário

  • As visitas são oferecidas em dias úteis às 9h, 10h, 11h, 14h, 15h, 16h e 17h.
  • Nos finais de semana, as visitas acontecem às 9h, 11h, 14h, 15h e 17h.
  • As reservas podem ser feitas por e-mail (visita@itamaraty.gov.br) ou pelo telefone (61) 2030-8051. O serviço de agendamento de visitas funciona apenas em dias úteis, de segunda a sexta, das 9h às 17h. Mensagens recebidas fora desse horário ou aos finais de semana e/ou feriados serão respondidas assim que possível (aviso retirado do site).
  • Consulte o site do Palácio Itamaraty para maiores informações.

História

  • Projetado por Oscar Niemeyer e inaugurado em 1970, o Palácio Itamaraty é a sede do Ministério das Relações Exteriores. 
  • Originalmente chamado por Niemeyer de Palácio dos Arcos, posteriormente o Presidente Castelo Branco mudou para Palácio Itamaraty, em alusão a sua sede, que era no Rio de Janeiro, com o mesmo nome, apenas com a diferença que lá era Palácio do Itamaraty (casa que foi do Conde de Itamarati) e aqui é apenas Palácio Itamaraty. 
  • O Palácio Itamaraty foi o primeiro monumento da época contemporânea a ser incluído pela UNESCO como Patrimônio Cultural da Humanidade, em 1987.
  • O nome Itamaraty vem de sua antiga sede, na ex-capital da república (Rio de Janeiro), um refinado casarão neoclássico originalmente pertencente a Francisco José da Rocha Leão, Conde de Itamarati. 
  • O cálculo estrutural, que permitiu a realização de impressionante vão-livre, no piso térreo, foi realizado pelo Engenheiro Joaquim Cardoso.
  • Retirado do Blog do Itamaraty: "O Ministério das Relações Exteriores tem a competência legal de coordenar o Protocolo e o Cerimonial do Estado, e o Palácio Itamaraty é o espaço para a recepção oficial de autoridades e delegações estrangeiras. Seguindo uma tradição que remonta ao antigo palácio da Rua Larga, no Rio de Janeiro, as autoridades são recebidas com o que há de melhor na culinária, no mobiliário e nas artes brasileiras. O acervo do Ministério é uma demonstração da criatividade do povo brasileiro, desde a colônia até os dias de hoje, num panorama que se inicia na arte indígena, passa pelo barroco e chega aos nossos grandes artistas contemporâneos. Sua renovação reflete essa evolução."

Atrativo

  • Enquanto aguarda o início da visita guiada, aproveite para conhecer o Palácio por fora - sua arquitetura e o paisagismo de Burle Marx (espelho d'água com plantas nativas do Cerrado e da Amazônia). 
 
Vista da frente do Palácio
 
Vista lateral direita e frontal
 
Vista lateral esquerda e frontal
 
Escultura em mármore - Meteoro
  • A visita guiada ao Palácio Itamaraty passa por 3 pavimentos: no piso térreo e jardins da cobertura é permitido fotografar, já no mezanino e no primeiro andar não é permitido. 
  • A entrada para visitação é pela lateral direita do prédio, onde tem estacionamento - durante a semana é mais difícil estacionar ali.
  • No Térreo:
    • Já na recepção, enquanto aguarda o início do tour pelo Palácio, pode-se observar os móveis modernos de Anna Maria Niemeyer, filha de Oscar Niemeyer.
    • Logo após a recepção está o grande Salão de Recepções com 2.200 m² e  com um dos maiores vãos-livres da America Latina. As autoridades convidadas acessam este salão pela rampa principal do Palácio, onde é estendido um tapete vermelho.
    • Escada helicoidal com degraus de 3,40 metros de largura e sem corrimão que  liga o piso térreo ao mezanino.
 
Recepção e entrada de visitantes ao salão de recepção
 
Salão de Recepção - escada helicoidal

 
Acesso de autoridades ao salão de recepção
    • Imensa parede de mármore com figuras geométricas em baixo relevo projetada por Athos Bulcão.
    • O piso do salão é de granito com uma paginação que não se repete e é formada por quadrados de diversos tamanhos, projeto de Athos Bulcão também.
    • Jardim com espécies da Amazônia, projeto de paisagismo de Burle Marx.






    • Escultura "Uni Duni Tê" de Darlan Rosa.
    • Escultura "Ferros Retorcidos" de Gilmar Franco.
    • Escultura "Folhagem" de Zélia Salgado.
    • Escultura "Ponto de Encontro" de Mary Vieira - são 230 placas de alumínio que permite ao visitante interagir com a obra.
 
Escultura "Ponto de Encontro"
 
Escultura "Ferros Retorcidos"
 
Escultura " Uni Duni Tê"
  • No Mezanino: 
    • Logo após subir a bela escada, há uma escultura do Austríaco Franz Weissmann - Transfiguração ou Metamorfose, muito interessante - a medida que você caminha pelo salão a escultura parece ter formas diferentes.
 
Escultura de Franz Weissmann - lado esquerdo no alto da escada
 
Escultura de Franz Weissmann
    • Amplo salão utilizado para condecorações e entrega de medalhas;
    • Afresco (pintura sobre a parede) de Alfredo Volpi intitulado o "Sonho de Dom Bosco - 1966" - reportagem do Correio Brasiliense sobre esta obra e outras;
    • Sala dos Tratados: onde são assinados os atos e acordos internacionais. Destaque para mesa onde foi assinada a Lei Áurea pela Princesa Isabel em 1888, feita em jacarandá, em estilo Dom João V (as pernas da mesa imitam patas de animais) e para os bustos dos Patronos da Diplomacia Brasileira, de autoria de Bruno Giorgi (o mesmo que esculpiu em mármore de carrara de 8 toneladas o "Meteoro", símbolo do Ministério, exposto no espelho d'água em frente ao Palácio): Alexandre de Gusmão (conhecido como o "avô" da diplomacia brasileira - responsável pelo tratado de Madri, que ampliou o território brasileiro), Duarte da Ponte Ribeiro (consolidou as fronteiras) e Barão do Rio Branco (lançou as bases de uma nova política internacional, adaptada às necessidades do Brasil moderno). Esta sala fica de frente ao Palácio da Justiça, como se a justiça fosse testemunha de todos os atos e acordos.
    • Separando a sala dos tratados do restante do salão está mais um trabalho de Athos Bulcão "Treliça".
 
Sala dos Tratados ao fundo


    • Neste pavimento encontra-se também, à esquerda, o Gabinete do Ministro das Relações Exteriores - uma curiosidade é que ele tem um apartamento funcional no Palácio - e à direita está o Gabinete do Secretário-Geral, cargo mais alto da carreira diplomática. Outra curiosidade é que ele pode entrar de carro por uma rampa que se inicia na frente do Palácio, passando pelo seu gabinete indo até o outro lado do Palácio. Estes Gabinetes não estão abertos a visitação.
  • No 1º andar:
    • Neste andar estão três salas de coquetéis (pequena, média e grande), o jardim e as salas de almoço e jantar.
    • A primeira é chamada D. Pedro I (sala média), onde se destacam um dos maiores tapetes persas do mundo, com 70 m², presente da Rainha Elizabeth; a tela de Jean Baptiste Debret que retrata a Coroação de D. Pedro I em 1828;  a tela de estudo de Pedro Américo, "O Grito do Ipiranga" (a tela principal deste artista se encontra em São Paulo no Museu do Ipiranga e foi encomendada pelo governo 66 anos depois da independência do Brasil. Pedro Américo se retratou na pintura como um dos Dragões da Independência); móveis de jacarandá do século XVIII, a escultura "Pomba da Paz" de João Alves Pedrosa; lustre de 1,5 toneladas intitulado "Revoada de Pássaros" de Pedro Corrêa de Araújo, esculpido em ferro, prata e bronze, com cristais da cidade de Cristalina/GO, e possui uma única lâmpada.  
    • A segunda e maior sala de coquetéis é a Cândido Portinari. Logo na entrada tem duas esculturas de anjos em estilo barroco - suspensos por cabos; 2 telas de Portinari: "Cena Gaúcha" e "Jangadas do Nordeste" representado o sul e nordeste, respectivamente - curiosidades sobre as duas telas; 2 telas abstratas de Arcângelo Ianelli, "Forma e Silêncio" e a outra tela sem título; tela de Manabu Mabe, especialmente pintada para o Itamaraty, chamada "Tela Imaginária"; e móveis em jacarandá.
    • A terceira e última sala de coquetéis, conhecida como Duas Épocas, devido ao contraste entre os móveis antigos e as pinturas modernas. É a menor delas, mas não menos recheada de obras de arte: tela abstrata, sem título de Tomie Ohtake; tela "Figura" de Milton Dacosta; tela "Montevideo" de Manubu Mabe; vasos Chineses da Dinastia Ming; a namoradeira ou conversadeira, que é um móvel composto de três cadeiras interligadas; e a escrivaninha em jacarandá que pertenceram a Princesa Isabel e ao Barão de Rio Branco; escultura surrealista "A Mulher e sua Sombra" de Maria Martins
  • No Terraço:



Escultura "Canto da Noite" de Maria Martins


Escultura "Três Jovens" de Lasar Segall


Arcos do Palácio


Escultura "Nu deitado" de Victor Brecheret


Banco de Sérgio Rodrigues

    • Linda vista da Esplanada dos Ministérios e do Congresso Nacional.
    • Contemplação da bela arquitetura com destaque para os arcos, símbolo do Palácio.
    • Salas de almoço e jantar com o nome das cidades que já foram capitais do Brasil: Brasília (para 180 pessoas), Bahia (para 14 pessoas) e Rio de Janeiro (para 36 pessoas). Somente a Sala Brasília (a maior delas) está aberta para visitação e nela destacam-se, o Piano Steinway; um biombo da Dinastia Ming do Século XIV, a peça mais antiga do Palácio; e na parede ao fundo, a grande tapeçaria com cinco partes que representam as plantas nativas do planalto - do atelier Norberto Nicola – reproduzida a partir de um cartão de Roberto Burle Marx. Na Sala Brasília é onde é realizada a festa de posse do Presidente da República.

Comentário

  • Imperdível - talvez a palavra que mais uso no blog, mas não posso deixar de usá-la novamente, pois é o que melhor expressa meu sentimento sobre este magnífico local.
  • A visita é gratuita.
  • Durante a semana não é permitido entrar usando chinelos, shorts, bermuda, camiseta regata e/ou roupas muito à vontade.
  • Por causa de cerimônias oficiais, as visitas podem ser suspensas sem aviso prévio. 
  • A visita é uma verdadeira aula de história, além de poder apreciar a arquitetura, o paisagismo e as obras de arte (pinturas, tapeçaria, esculturas, mobiliário, lustres, painéis, etc.). 
  • Gosto muito de fotografar os detalhes dos locais que visito, porém, como disse anteriormente, não é permitido fotografar em muitos locais do Palácio e confesso que não sei o motivo, se é por questões de segurança ou pelo uso de flash (se fosse este motivo, bastaria não usar flash). Entretanto, na Web é possível encontrar foto de tudo. Gostei muito do site da Casa Vogue, vale a pena ler para  conhecer um pouco mais o Palácio e ver as belas fotos.
  • Entre a recepção e o Salão de Recepção de autoridades há banheiros masculino e feminino.
  • Não há lanchonete no Palácio e nem nas imediações.