menu

BELO HORIZONTE - INHOTIM 2017/2018

Esta viagem a Belo Horizonte e Inhotim foi bem rápida. O objetivo era passar o ano novo de 2017/2018 com parentes e amigos. Aproveitamos para passear um pouquinho em BH e em Inhotim, onde estivemos pela primeira vez em agosto de 2016. Para mais detalhes, acesse a viagem anterior no blog.

BH tem muitas opções de passeio, mas desta vez visitamos poucos lugares. Primeiro porque tínhamos pouco tempo e, segundo, porque muitos atrativos estavam fechados no final/início do ano.

Tenha certeza de que vai precisar bem mais de uma semana para percorrer os lugares mais interessantes de BH e proximidades.

O passeio na cidade se resumiu a visitar a Praça da Liberdade, a feira de artesanato da Avenida Afonso Pena e o Parque Municipal. Próximo de BH visitamos novamente o Museu de Inhotim, pois nossos filhos não conheciam ainda. 

Belo Horizonte

Visitar BH e não ir à Praça da Liberdade é como ir a Roma e não ver o Papa. É uma praça central e centenária que foi construída para abrigar em seu entorno o Palácio do Governo (Palácio da Liberdade) e suas secretarias (atualmente estão instalados na Cidade Administrativa). Atualmente os prédios das secretarias foram transformados em museus. Na praça, destaco a alameda formada por palmeiras imperiais, as diversas fontes, o coreto e os belos jardins.














Circundando a praça estão os museus. Visitamos o Centro Cultural do Banco do Brasil e o Memorial Minas Gerais (patrocinado pela Vale do Rio Doce). Os demais museus estavam fechados. Infelizmente, no fim de ano fecha quase tudo em BH. O nosso maior interesse era visitar o Palácio da Liberdade, mas a visitação estava suspensa - comentários do Tripadvisor - não consegui um local confiável para saber se as visitas estão suspensas ou não ou se elas acontecem somente no final de semana. Acredito que um dia não seja suficiente para visitar todos os pontos de interesse da Praça da Liberdade, mas se tiver apenas um dia na agenda, consulte aqui o Circuito Liberdade para decidir o que vai visitar.

Clique aqui para conhecer os horários de funcionamento do Museu da Vale. Achei interessante a TAG no jardim interno -  "#Vale Conhecer", vale mesmo. Além da belíssima arquitetura interna e externa o museu leva o visitante a ter contato com o antigo e o novo através das diversas salas distribuídas nos três pisos. No primeiro piso conhecerá um pouco mais dos artistas mineiros (escritores, poetas, escultores e fotógrafos) como Carlos Drummond de Andrade e Guimarães Rosa, da escultora e pintora Lygia Clark e do fotógrafo Sebastião Salgado. Já no segundo piso vai conhecer diversos aspectos dos costumes e da cultura mineira: a família, a fazenda, o panteão da política, as vilas, o barroco, histórias de BH, entre outros. No terceiro piso tem exposições temporárias, auditório, Vale do Jequitinhonha, modernismo mineiro entre outros temas. A entrada é gratuita. No Museu tem o Café do Memorial (1ª piso) - bem aconchegante e conta ainda com uma exposição de cachaças.


 
Sala interativa


 
Exposição de arte popular do Vale do Jequitinhonha
 
Interior do Museu
 
Interior do Museu
 
Jardim interno


Café do Museu

 
Fachada do Museu da Vale

O Centro Cultural do Banco do Brasil - CCBB, do outro lado dar rua, tem algumas coisas parecidas com o Museu da Vale: arquitetura interna e externa maravilhosas, café aconchegante e entrada gratuita (algumas programações, no entanto, podem ser cobradas). Já as exposições não são permanentes no CCBB, então, confira aqui mais informações e a programação.


 
Fachada frontal do CCBB

 
Fachada lateral do CCBB
 
Interior do CCBB
 
Interior do CCBB
 
Exposição
 
Pátio interno ao lado do Café

Além do aspecto cultural e da praça propriamente dita, os edifícios se destacam por sua arquitetura, que vai do estilo art déco, moderno (destaque para o Edifício Niemeyer e a Biblioteca Pública Municipal Luiz de Bessa, ambos projetados por Oscar Niemeyer) ao pós-moderno (Centro de Atendimento ao Turista). 

 
Edifício Niemeyer

 
Palácio do Governo -  "Palácio da Liberdade"
 
Biblioteca Pública
 
Biblioteca Pública
 
Centro de Atendimento ao Turista
 
Ex Secretarias de Estado, atualmente Museus

Em frente à Biblioteca Pública estão as estátuas em tamanho natural de 4 escritores mineiros - Fernando Sabino e Otto Lara sentados num banco, enquanto Hélio Pellegrino e Paulo Mendes Campos estão em pé, ao lado dos primeiros. Este conjunto é denominado "Encontro Marcado".


Encontro Marcado

Continuando nosso passeio, o destino foi o Alto do Mangabeiras. Na publicação de 2016 visitamos a Serra do Curral, localizada na mesma região, desta vez queríamos visitar o Mirante do Mangabeiras e o Parque Municipal das Mangabeiras, mas estavam fechados. Lamentavelmente, não foi porque era final de ano e sim por questões relacionadas ao mosquito transmissor da febre amarela - consulte antes de ir. Para apreciar a vista da cidade demos uma rápida parada na Praça Israel Pinheiro, mais conhecida como Praça do Papa. Esta região de BH é muito bonita, vale a pena visitar.


 
Praça do Papa
 
Praça do Papa - vista da cidade
 
Praça do Papa - vista da Serra do Curral

Para fechar o dia, fomos conhecer a Cervejaria Hofbräuhausstípica cervejaria alemã, na Avenida Contorno, no Bairro de Lourdes. É a única da rede na América Latina. A cerveja é fabricada na própria cervejaria, exatamente da mesma forma que na matriz em Munique. Comida boa e ambiente descontraído. Os preços não são baixos.

No dia seguinte, o programa foi visitar a imensa Feira de Arte e Artesanato. Criada em 1969 esta feira era na Praça da Liberdade e era conhecida como Feira Hippie, aliás muitos ainda a chamam desta forma. Atualmente é a maior feira de artesanato da América Latina, com mais de 2 mil expositores. A feira é montada na Avenida Afonso Pena aos domingos, de 8 às 14 horas. Em frente à feira está o Centro de Artesanato Mineiro do Palácio das Artes, que tem muitas outras atrações (cinema, teatro, dança, exposições).

 
Feira Hippie

 
Feira Hippie

 
Centro de Artesanato
 
Centro de Artesanato

Quando for à feira aproveite também para conhecer o Parque Municipal Américo Renné Giannetti - é um local muito agradável no centro da capital.










Inhotim

Na publicação que fizemos de Inhotim em 2016 citei que dois dias seria o ideal para conhecer o local, porém, ficamos somente um dia. Agora voltamos para conhecer o que faltou.

A experiência desta vez foi um pouco diferente da primeira. Vou descrever apenas o que foi diferente o restante continua valendo o que escrevi na publicação anterior.

A primeira diferença é que contratamos o serviço de transporte interno - são pequenos carrinhos elétricos. Mesmo gostando muito de caminhar o carrinho ajuda bastante, principalmente se for ficar um dia apenas, pois a distância entre os pavilhões é muito grande.





Outra experiência que tivemos foi com a chuva. Atrapalha um pouco, principalmente o visual do lugar que com sol é maravilhoso. O ideal é estar com uma capa e guarda-chuva. Nós tínhamos levado guarda-chuvas, mas optamos também por comprar umas capas na lojinha do Museu, que fica logo após a bilheteria. Sábia decisão, choveu o dia todo.
 
Lojinha
 
Bilheteria

Da primeira vez em que estivemos no Inhotim não paramos para almoçar, pois queríamos aproveitar o máximo. Desta vez, como a chuva não deu trégua, optamos por fazer uma pausa e almoçar no Restaurante Oiticica (comentários Tripadvisor). O serviço é do tipo buffet por quilo. Local bonito, comida razoável e preço compatível com o local. Outra opção é o Restaurante Tamboril (comentários Tripadvisor), mais sofisticado e mais caro - não conhecemos.
 
Restaurante Oiticica
 
Restaurante Tamboril

Dentro do Museu há opções de lanches no Café do Teatro (comentários do Tripadvisor), fomos da outra vez e gostamos, e também tem uma hamburgueria que não experimentamos. Clique aqui para os detalhes de gastronomia em Inhotim.
 
Entrada do Café do Teatro
 
Café das Flores

No final do dia, já próximo do horário de fechar, fomos fazer um lanche no Café das Flores (comentários Tripadvisor), perto da entrada/saída do Museu. Da outra vez que estivemos lá achamos muito bom, mas desta vez não nos atendeu - não tinha mais nada, a comida já tinha acabado - achei um absurdo. Como tudo tem um lado bom, pegamos o carro e fomos procurar um lugar para comer, não muito distante dali. A apenas 6 km do Museu, na estrada para BH, paramos no Empório Fazendinha - mapa. Local rústico com lanches saborosos. Ótima escolha.








O Museu Inhotim faz parte de uma seleta lista dos museus mais interessantes ou imperdíveis do mundo e está perto de nós, bem ali em Brumadinho/MG/Brasil, e com um preço bem acessível. É um museu é de arte moderna associado a um maravilhoso paisagismo. A arte moderna às vezes nos agrada, às vezes não; outras vezes entendemos o que o artista quer transmitir e outras não; porém, a forma como os pavilhões e as obras são inseridos na natureza acaba por nos contagiar. Não posso deixar de contar um fato que nos fez dar boas risadas. Em um dos pavilhões nos deparamos com a obra "Método para Arranque e Deslocamento", instalada na última sala. Meu filho fez o seguinte comentário: não sei dizer se este espaço está em construção ou se é uma obra de arte. Demos uma olhada e também ficamos na dúvida, sem saber se podíamos entrar naquela sala, pois ela estava vazia, apenas com um carpete inacabado no chão.  A certeza de que era uma instalação veio somente depois de lermos do que se tratava. Faço este comentário não para desmerecer ou criticar a obra, mas, sim, para mostrar que a imaginação pode fazer você viajar.





filme em construção

Alguns dias depois que saímos do Inhotim fiquei sabendo que passariam a exigir a apresentação da carteira de vacinação com o comprovante da vacina contra a febre amarela, porque surgiram alguns casos da doença na região. Não sei como está atualmente, vale a pena consultar o site oficial antes de ir.

Nossa viagem foi de carro. Saímos de Brasília para o Sul de Minas (Pouso Alegre) onde passamos o Natal e depois fomos passar o Ano Novo em BH.

Então, dessa vez, não vou dar dicas de hotel ou de locação de carros, pois ficamos hospedados, novamente, na casa de primos muito queridos e tivemos toda a mordomia de uma hospedagem 5 estrelas, obrigado por estes dias!