menu

ERICEIRA - MAFRA

Dia 4 de novembro de 2018, domingo, nosso quarto dia de passeio. Mais um bate-volta saindo de Lisboa. O destino deste dia também foi inédito para nós, primeiro Ericeira e depois Mafra. A distância percorrida ida e volta foi de aproximadamente 100 km.




Ericeira

Chegando na cidade fomos para região central e depois fomos conhecer as praias mais distantes do centro - Ericeira é considerada a cidade do surf.

Estacionamos o carro no Largo dos Condes da Ericeira, próximo do Mercado Municipal. Todo trajeto que fizemos na região central foi a pé - cerca de 1 km apenas.

Seguimos para a Praça da República - uma praça pequena com muitas cafeterias ao redor - no final da praça tem um local de informações turísticas.


Praça da República
Saindo da praça fomos até a Praia dos Pescadores. Foi desta praia que a Família Real Portuguesa partiu para o exílio em 5 de outubro de 1910 com o fim da Monarquia e a implantação da República. Aqui está localizado o Forte de Nossa Senhora da Natividade.







Continuamos em direção à Igreja de São Pedro pela Rua da Misericórdia - passamos pela igreja de mesmo nome e pelo Largo do Pelourinho. No caminho ficamos impressionados com a beleza e a conservação do casario, a grande maioria nas cores azul e branco.


 
Igreja de São Pedro
 
Igreja de São Pedro







 
Pelourinho


Saindo da Igreja voltamos para pegar o carro no Largo dos Condes da Ericeira e no caminho entramos no Mercado Municipal da Ericeira - pequeno, mas bonito.










No mapa abaixo está indicado o trajeto que fizemos a pé. 



Já de carro fomos conhecer algumas praias. Começamos pela Praia do Sul, também conhecida como Praia da Baleia. Apesar de não ser uma praia tão grande é uma das maiores de Ericeira. Na sua ponta está o Hotel Vila Galé Ericeira. No miradouro desta praia tem duas placas com poesias de Fernando Pessoa.



Continuamos o passeio seguindo agora para o lado norte da cidade. Estacionamos o carro no Largo de São Sebastião, entre as Praias de São Sebastião e do Norte - o estacionamento é bom, tem uma pequena praça e a Capela de São Sebastião, em formato hexagonal, estilo maneirista do século XVII, e com o interior de azulejos.

 
Praia do Norte
 
Praia de São Sebastião
 
Largo de São Sebastião
 
Largo de São Sebastião
 
Capela de São Sebastião
 
Capela de São Sebastião

Seguimos para o nosso último destino em Ericeira - Praia Ribeira D'Ilhas. O destaque é o mirante (miradouro) antes de descer a escadaria de madeira que leva à praia. Já no nível do mar está o Surf Bar/Restaurante Ribeira D'Ilhas, onde almoçamos, que tem um ambiente descontraído, confortável, mas poderia ter preços um pouco melhores. A praia, é claro, é famosa por pertencer ao circuito mundial de surf. No local tem boa infraestrutura como estacionamento amplo e banheiros.

 
Surf Bar/ Restaurante
 
Surf Bar/ Restaurante
 
Miradouro visto da praia
 
Praia Ribeira D'Ilhas
 
Miradouro
 
Vista do Miradouro
 
Vista do Miradouro
 
Vista do Miradouro

Depois do almoço saímos direto para o Palácio Nacional de Mafra.

Mafra

Chegamos em Mafra com o único objetivo de conhecer o Palácio Nacional de Mafra. Ainda bem que reservamos a parte da tarde, pois começou a chover, mas como era em uma área fechada não atrapalhou. Estacionamos o carro na lateral do Palácio. Para mais informações sobre a visitação clique aqui.

Mafra é famosa pelo seu palácio-convento, mandado construir por D. João V no século XVIII e que constitui a mais grandiosa obra do barroco português. O edifício ocupa uma área aproximada de quatro hectares (37.790 m²).

Os destaques da visita são o Palácio, o Convento, a Biblioteca e a Basílica . Foi uma pena não termos conhecido a Basílica, pois no dia teria um concerto no final da tarde e ela estava fechada, mas de dentro do palácio é possível admirar uma parte através de vidros.

Logo no início da visita nos deparamos com uma obra muito curiosa que representa a decapitação dos frades franciscanos Berardo, Pedro, Acúrcio, Adjuto e Otão, que foram enviados em 1219 para evangelizar a Espanha, acompanhados também do frade Vital, que ficou em Aragão por estar doente. Em Sevilha, então em posse dos mouros, pregaram o Evangelho ao Rei muçulmano, que os deportou para o Marrocos. Perseverando na evangelização aos marroquinos, acabaram por ser decapitados em 1226, o ano da morte de São Francisco. A notícia do seu martírio inspirou a mudança de Sto. Antônio da Ordem dos Cônegos Regrantes de Sto. Antônio para Ordem de São Francisco. Foram, assim, os primeiros mártires Franciscanos.


Santos Mártires de Marrocos
O Palácio ocupa todo o andar nobre do edifício de Mafra e os dois torreões, sendo o do Norte destinado ao Rei e o do Sul à Rainha, ligados por uma longa galeria de 232 metros – o maior corredor palaciano na Europa – usada para o “passeio” da corte, tão ao gosto do séc. XVIII. Aqui os súditos esperavam pelas audiências reais,  exibiam as joias e os vestidos ou teciam as intrigas políticas e amorosas. 

O Palácio do Rei e o da Rainha funcionavam separadamente, cada um com as suas cozinhas, as despensas, os quartos dos Camaristas ou das Damas no 1º piso, os aposentos reais no piso nobre e os criados nos mezaninos (sótãos). Para os príncipes estava destinado um palacete na extremidade Nordeste do edifício e para as princesas, outro à Sudeste. Ambos funcionavam também separadamente.

Foi neste Palácio que D. Manuel II passou a última noite no reino, de 4 para 5 de outubro de 1910, antes de partir para o exílio - partiu da Praia dos Pescadores em Ericeira (citei este fato no texto sobre Ericeira).























O Convento foi concebido inicialmente para 13 frades, porém, foi sofrendo sucessivas alterações, acabando num imenso edifício para 300 frades da Ordem de São Francisco. 






 
Enfermaria





A Basílica ocupa a parte central do edifício com uma torre sineira de cada um dos lados. Foi feita segundo o desenho de João Frederico Ludovici, ourives de origem alemã que, após longa permanência na Itália, a concebeu ao estilo barroco italiano.




A Biblioteca do Palácio é uma das mais importantes bibliotecas portuguesas, com um valioso acervo de aproximadamente 36.000 volumes, entre eles algumas obras raras. O acesso é permitido somente até a porta, de onde é possível admirá-la.




Depois de 4 dias bem intensos estávamos cansados, ainda mais em um final de tarde de domingo com chuva. Decidimos voltar para nosso apartamento em Lisboa para comer, descansar e nos prepararmos para os passeios do dia seguinte, segunda-feira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário